quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Histórias da Cacimba do Povo e do Cacimbão de Juarez em Patu

Cacimba do Povo

O sertão nordestino há séculos que convive com a situação de estiagem. Em nossa história existem períodos chuvosos, mas também longos períodos de estiagem registrados ao longo de vários séculos, bem como registros de poucas chuvas, tudo isso ocasionando problemas graves de falta de água para a sobrevivência da população. As precipitações pluviométricas anuais, em média, giram em torno de 500 a 600 milímetros sendo que em muitos casos não proporcionam acúmulo de água nos reservatórios.  Muitas são as alternativas para a captação de água para amenizar a situação do povo. No município de Patu, em sua história, duas tecnologias de captação de água foram marcadas como alternativas para matar a sede da população. Uma dessas tecnologias foi à chamada construção da "Cacimba do Povo" e a outra o "Cacimbão de Juarez".

Segundo informações do historiador Patuense, Petronilo Hemetério Filho, a Cacimba do Povo não se tem registro oficial de quando foi construída, talvez no ano de 1.900, época da existência de um dos administradores dessa terra, o senhor Raimundo Basílio. A Cacimba do Povo fica localizada no corredor denominado de Recreio que fica localizado por trás do Hospital Maternidade Dr. Aderson Dutra "Hospital da APAMI", região que na época se concentrava um grande lençol freático disponibilizando água com fartura por longas décadas. A Cacimba do Povo matou a sede de muita gente em Patu, onde todos os dias homens, mulheres e crianças buscavam água utilizando galões, baldes, tambores, roladeiras, depósitos transportados no lombo de jumentos, bicicletas e outros transportes.
Moradores antigos da cidade de Patu como o senhor Miguel Lira, Antônio Rosa, Paulo Godeiro, Nival Lira e outros informaram que seus pais e avós já contavam histórias sobre a Cacimba do Povo. Nos anos 80 o senhor Petronilo Hemetério Filho, na época, secretário de Obras do Município de Patu, na Gestão do então prefeito Ednardo Moura, construiu uma caixa D água no local para facilitar o transporte realizado diariamente pela população que fazia fila em carroças de burros para pegar o precioso líquido.
Hoje a cacimba do Povo está desativada, talvez ainda tenha água, mas, em pequena quantidade, pois muitos poços e outras cacimbas foram construídos naquele local para consumo próprio e comercialização, consumindo o seu lençol freático. Ao lado da Cacimba do Povo existem várias árvores. O senhor Genival Cosmo dos Santos, conhecido como Genival do Armarinho relata que, quando criança sofreu uma pisa da sua mãe que soube que ele estava na Cacimba do Povo roubando manga para comer, fato esse que nunca esqueceu.

Cacimbão de Juarez

Outro sistema de captação de água em Patu muito conhecido da população é o chamado "Cacimbão de Juarez" localizado no bairro da estação, que pertenceu ao ex-vereador Juarez Duarte. Segundo relato de seu filho Jair Duarte o cacimbão surgiu por que seu pai comprou um grande lote de terras localizado no bairro da estação para a construção civil de muitas casas e para isso teve que construir no local um cacimbão que seria para a retirada água para as obras em construção na época. Com a construção do cacimbão muitas pessoas passavam e pediam para tirar água e o senhor Juarez sempre permitia. A prática se tornou uma constante e outras pessoas também foram pedindo, se tornando uma rotina onde não havia mais a necessidade de pedir permissão de retirar água, pois, sabia que era liberado, se tornando um bem público. Hoje muitas pessoas ainda retiram água do cacimbão, servindo também de lavanderia pública, onde muitas mulheres aproveitam para lavar roupas já que no bairro da estação a água não chega às torneiras das residências, bem como em muitos bairros da cidade.  O cacimbão atualmente é público pertencendo ao poder público municipal.
É importante o registro desses dois instrumentos de captação de água que pertencem ao município de Patu, pois fazem parte da nossa história não podendo ficar no esquecimento e sim em nossa memória como um bem público que serviu e serve a nossa população. 

 Transporte de água em galões e lata na cabeça

Transporte de água em lombo de jumentos

 Galões nos ombros

 Em Tambores

 Sofrimento nos períodos de estiagem

 Transporte de água em Roladeiras

 Visita de Nival Lira a Cacimba do Povo ...

 Com o Prof. Aluísio Dutra 

 Nos anos 80 o poder público municipal de Patu construiu ao lado da Cacimba do Povo uma caixa d´água
 O senhor Miguel Lira morador antigo da cidade de Patu 
 Zilar Rocha e Neto Dutra falaram também sobre a Cacimba do Povo

 Senhor Antônio Rosa lembrou dos benefícios que a Cacimba fazia para a população sofrida 

 Paulo Godeiro relata que seu pai e avós falavam do grande bem dessa Cacimba para a população 

 O historiador Petronilo Hemetério Filho informou que não existe registro oficial de quando a Cacimba foi construída. 
 Carroceiro que ainda hoje pega água do Cacimbão de Juarez

Jair Duarte, filho do ex-vereador de Juarez Duarte, contou a história de como surgiu o Cacimbão de seu pai.





Henrique Alves foi destaque no Jornal Nacional

O Jornal Nacional destacou agora à noite a delação do empresárioFred Queiroz, homem de Henrique Eduardo Alves.

Segundo Queiroz, o ex-presidente da Câmara –e ex-ministro de Dilma e Temer– comprou apoio de lideranças políticas com R$ 7 milhões, em dinheiro vivo, durante sua campanha ao governo do Rio Grande do Norte.
Esse dinheiro, sempre de acordo com a delação –à qual o Estadão teve acesso–, veio “da pessoa de Joesley” e não foi declarado em prestação de contas eleitorais.
Os R$ 7 milhões foram entregues numa mala a um assessor de Henrique Alves, num hotel de Natal, e depois distribuídos a beneficiados.
Preso em junho na Operação Manus, que apura fraudes de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas, o ex-ministro nega tudo.
O Antagonista.
Fonte: Blog do Robson Pires.

Robinson quer empréstimo de R$ 690 milhões

O governador Robinson Faria  (PSD) pediu à Assembleia a autorização para contrair o empréstimo de R$ 690 milhões. Ele esperava aprovar a toque de caixa. Mas, os deputados vão analisar minuciosamente a proposta. O governo já não tem mais o mesmo poder sobre o legislativo.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Governo conclui pagamento de servidores no dia 31


Governo do Estado integraliza na próxima quinta-feira (31) a folha de pagamento do funcionalismo público, depositando o complemento salarial dos servidores que recebem acima de R$ 4 mil sem distinção entre ativos, inativos e pensionistas.
Nesta terça-feira e quarta-feira o governo está pagando, sequencialmente, a parcela de R$ 4 mil para os servidores que recebem acima desse valor, dando prioridade às categorias de serviços essenciais como a Segurança e a Saúde.
Os pagamentos reúnem o montante de R$ 146 milhões, valor que será injetado na economia potiguar até esta quinta-feira.

Carvão feito com fezes humanas serve como combustível para cozinhar

Um projeto no Quênia quer aproveitar o problema dos resíduos humanos para gerar uma solução ambiental de combate ao desmatamento, mesmo que paliativa.

No país, cerca de 80% dependem do carvão vegetal ou da madeira para cozinhar, o que leva ao desmatamento, sem contar que a poluição gerada na queima proporciona “enormes riscos para a saúde”. O projeto em questão se baseia em transformar o lodo do esgoto em briquetes de carvão, que proporcionam menos problemas à saúde na hora da queima.
A urina e as fezes são “produtos” humanos que funcionam como fertilizantes, mas as bolinha de carvão feitas de a partir do esgoto representam um novo tipo de ciclo “mesa-banheiro-cozinha” que pode diminuir os impactos na saúde na hora de cozinhar com fogões que usam combustíveis, além de ser uma proposta economicamente viável.

‘Brasil passou por mudanças que não são vistas pela classe mais favorecida’, diz Mineiro


O deputado Fernando Mineiro (PT) destacou nesta terça-feira (29), durante sessão plenária na Assembleia Legislativa, a passagem da chamada “Caravana do Nordeste”, conduzida pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), pelo Rio Grande do Norte. O parlamentar comentou que percorreu os municípios potiguares junto à Caravana e enalteceu as políticas públicas sociais desenvolvidas durante o governo Lula.
“A passagem da Caravana do Nordeste pelo Estado foi um momento fantástico e singular, que reforça a admiração do povo pelo ex-presidente Lula. O carinho e a sintonia que a população tem por ele é fruto do conjunto de realizações que seu governo proporcionou ao povo brasileiro. Foi a partir da gestão dele que o Brasil passou por profundas mudanças, como o acesso a trabalho e renda através de políticas de inclusão social que não são vistas pela classe mais favorecida”, disse Mineiro.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Crônica: Um monumento aos almocreves de outrora


José Romero Cardoso.


Mossoró já foi um dos mais extraordinários pólos de crescimento que o semi-árido nordestino já registrou em sua espacialização geográfica, convergência de boa parte da produção sertaneja dos vizinhos Estados do Ceará e Paraíba, além de sua órbita gravitacional, as cidades circunvizinhas. Algodão, peles, couros e cera de carnaúba, além de sal e gesso, eram exportados pelas inúmeras casas especializadas que eram facilmente encontradas no município, sucessoras da saga comercial do negociante suíço Johannes Ulrick Graff.
A produção sertaneja contava com imprescindíveis agentes econômicos, responsáveis pelo transporte dos bens obtidos com as atividades econômicas do semi-árido. Eram os almocreves de outrora, os tangerinos ou comboieiros, os quais saíam com tropas de burros dos mais distantes lugares, trazendo seus fardos de pele e algodão.
Provinham de todos os recantos do Rio Grande do Norte, da Paraíba e do Ceará. Após dias de exaustivas caminhadas pelas trilhas toscas e de difícil acesso, chegavam cansados, famintos e estropiados em Mossoró, onde escolhiam seus melhores compradores. Em inúmeros casos almocreves, comerciantes e industriais firmavam, além de negócios, laços coesos de amizade e compadrio. Lembremos o exemplo de Argemiro Liberato de Alencar, almocreve paraibano, natural de Pombal, compadre e amigo íntimo do “Coronel” Rodolfo Fernandes, responsável pelo primeiro aviso a Mossoró de que Lampião intuía atacar a cidade em 1927.

Graças aos almocreves, muito da prosperidade desfrutada pela capital do oeste potiguar pôde ser efetivada, sobretudo durante os anos áureos do boom da economia do semi-árido, durante a década de 20 do século passado. O término da guerra urgiu a necessidade de se reconstruir a velha Europa, devastada pelo conflito. Posteriormente, registrou-se a catástrofe da Bolsa de Nova York em 1929, da qual surtiu efeito contundentes sobre a economia da região.

Campina Grande, Estado da Paraíba e Mossoró, Estado do Rio Grande do Norte, rivalizam quanto ao grau de importância dos velhos almocreves para a economia local, em determinada época. A primeira já rendeu seu tributo aos bravos tangerinos dos pretéritos tempos e lucra extraordinariamente com isso. Exemplo maior encontramos no reconhecimento internacional ao grupo Tropeiros da Borborema, oriundos da magnífica composição de Raimundo Yasbek Ásfora e Rosil Cavalcante, imortalizada em esplêndida interpretação de Luiz “Lua” Gonzaga. Monumento em Campina Grande, além de destaque em museu, embora referente ao algodão, denotam a reverência dos paraibanos a um dos mais importante elo da cadeia produtiva da economia sertaneja.

Mossoró, por sua vez, ainda não despertou para a importância de resgatar os almocreves, deixando testemunho, como legado à posteridade, de um marco histórico de uma época em que a fome e a sede imperavam nas estradas poeirentas do sertão, embora não maiores que a obstinação de buscar sobreviver à inclemência das dificuldades naturais e artificiais da hinterlândia.

A terra de Santa Luzia precisa fomentar com urgência esse reparo enquanto tributo de gratidão àqueles que trouxeram tantas riquezas que deram posição de destaque regional, nacional e internacional ao País de Mossoró durante boa parte do século XX, refletindo-se no presente através dos marcos indeléveis no imaginário popular transmitido de geração a geração. Seguir os passos de Campina Grande, imitando sua originalidade e pioneirismo, pode representar futuros investimentos em turismo e cultura, pois a história é um alicerce irremovível na assistência a projetos futuros.
Em um tempo em que os transportes de grande calado, que comportassem o volume da produção, eram escassos ou quase inexistentes, esses agentes econômicos marcaram significativamente o cotidiano das terras semi-áridas, contactando centros civilizados com os mais recônditos rincões esquecidos do vasto mundo das caatingas e dos carrascais.
Homenageá-los significa recuperar parte de nossa memória, se evitando dessa forma que suas lutas e o estoicismo em vencer obstáculos de um sertão tenaz e indomável de outrora caiam no ostracismo imposto pela aculturação que se propaga e faz as gerações atuais e futuras tenderem a esquecer as raízes e os valores das veredas da terra do sol.

José Romero Araújo Cardoso (2) - Geógrafo (UFPB). Escritor. Professor-adjunto do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografia e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UERN). Membro do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP), da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM)

1ª parcela do 13º salário para aposentados e pensionista começa hoje (25)


Os aposentados e pensionistas em todo o país começam a receber a antecipação da primeira parcela do 13º salário a partir desta sexta-feira (25).
O depósito da gratificação será realizado junto com a folha de pagamentos mensal do INSS, que começa a ser depositada nesta sexta e vai até o dia 8 de setembro, conforme tabela de pagamentos de benefícios abaixo:
abono anual, que corresponde a 50% do valor do 13º e representa uma injeção extra na economia de pelo menos R$ 19,8 bilhões nos meses de agosto e setembro – veja os valores por estados.
Para quem ganha um salário mínimo (R$ 937), os pagamentos serão realizados entre os dias 25 de agosto e 8 de setembro. Já os segurados que ganham acima do valor receberão entre os dias 1º e 8 de setembro.
Não haverá desconto de Imposto de Renda nesta primeira parcela. De acordo com a legislação, o IR sobre o 13º somente é cobrado em novembro e dezembro, quando será paga a segunda parcela da gratificação natalina.
Aposentados e pensionistas, em sua maioria, receberão 50% do valor do benefício. A exceção é para quem passou a receber o benefício depois de janeiro. Neste caso, o valor será calculado proporcionalmente.
Os segurados que estão em auxílio-doença também recebem uma parcela menor que os 50%. Como esse benefício é temporário, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período. Por exemplo, um benefício iniciado em janeiro e ainda em vigor em agosto terá o 13º terceiro salário calculado sobre oito meses. O segurado receberá, portanto, metade desse valor. Em dezembro, caso ainda esteja afastado, o segurado irá receber o restante. Se tiver alta antes, o valor será calculado até o mês em que o benefício vigorar e acrescido ao último pagamento do benefício.
G1

Registro Especial

Feliz Aniversário!!

Está aniversariando nesta sexta feira 25/08/2017 o Historiador e presidente da Academia Patuense de Letras e Artes, Petronilo Hemetério Filho. Nossos parabéns pelos 82 anos de existência !!!!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Começa Hoje (23/08) O I Seminário de Pesquisa em Contabilidade no Campus Avançado de Patu



Tem início hoje (23/08) e prossegue até sexta feira (25/08)  o I Seminário de Pesquisa em Contabilidade. O evento  objetiva discutir e incentivar a pesquisa no Curso de Ciências Contábeis do Campus Avançado de Patu, especialmente sobre metodologia científica e normas técnicas voltadas para a pesquisa científica, estimulando a produção acadêmica e o fortalecimento da formação profissional em contabilidade. De modo específico, objetiva-se: disseminar a importância da produção de pesquisas voltadas para as temáticas contemporâneas de contabilidade; promover palestras e workshops sobre assuntos relacionados a pesquisa científica; envolver professores e alunos no projeto, buscando a integração entre ensino e pesquisa.

Programação
Dia 23/08/2017 (quarta-feira)
18:00 - Credenciamento
18:50 – Solenidade de abertura
19:30 – Palestra: Importância da Pesquisa Científica em Contabilidade (Prof. Ms. Ariane Firmeza Mota, DCC/UERN)
20:40 – Workshop; Mendley Desktop: Gerenciador de Referências (Prof. Ms. Ariane Firmeza Mota, DCC/UERN)

Dia 24/08/2017 (quinta-feira)
18:50 – Palestra: Normas da ABNT (Prof. Esp. Caio César da Silva Garcia, DL/UERN)
20:40 – Workshop: Como Produzir um Artigo Científico (Prof. Antônio Felipe de Paula Júnior, CERES/UFRN Caicó)

Dia 25/08/2017 (sexta-feira)
18:50 – Workshop; Treinamento sobre Portal de Periódicos CAPES (Andréa Vieira Régis, Chefe do Setor da Biblioteca Digital UERN)
20:30 – Solenidade de encerramento
21:00 – Coquetel de confraternização (música ao vivo).

Informações no Departamento de Ciências Contábeis do Campus Avançado de Patu.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Prefeitura na PB anuncia concurso com 70 vagas; remunerações chegam a R$ 6,3 mil


A Prefeitura de Sumé, localizada a 264 km da Capital, anunciou concurso público destinado ao preenchimento de 70 vagas para cargos do Poder Executivo Municipal. As inscrições serão abertas na próxima segunda-feira (28) e seguem até o dia 17 de setembro, podendo ser realizadas no site da CPCONVeja edital. As remunerações chegam a R$ 6,3 mil.
O valor da taxa de inscrição é de R$ 60 para os cargos de nível fundamental, R$ 80 para nível médio e intermediário e R$ 100 nível superior.
Há vagas para cozinheiro, motorista classe D, operador de máquinas pesadas, assistente de administração, cuidador educacional, educador social, professor do fundamental I, professor do fundamental II, assistente social, cirurgião dentista, enfermeiro, fisioterapeuta, médico – PSF, médico pediatra, médico psiquiatra, psicólogo, psicólogo infantil, técnico em enfermagem, técnico em radiologia, técnico em laboratório de análises clínicas e técnico em saúde bucal.
As provas objetivas serão aplicadas no dia 22 de outubro deste ano para todos os cargos, sendo de caráter eliminatório e classificatório.
Fonte: Blog do Cardoso Silva.

Valorosos apóstolos do Nordeste, que as Bençãos de Deus e do Padim Ciço recaiam sobre vós!

  José Romero Araújo Cardoso.
                                                           


          Parece que foi ontem, pois quem ama o Nordeste ainda se lembra. 1958, ano marcante, seca braba, castigando com inclemência a nossa brava gente, trazendo agruras e desditas, mas que assinalou o surgimento de vocês no cenário artístico, com o trio sendo batizado por dona Helena, auspiciado por Gonzagão.
          Houve um pacto, feito em prol da valorização da terra, do povo e dos costumes nordestinos. Hoje, precisamos mais do que nunca que artistas regionais repitam seus gestos, pois torna-se inadmissível suportar a descaracterização vil e mundana, alicerçada no fetiche da grana solta que permite determinadas posturas, incluindo nestas absurdas declarações de que a molecagem que enodoa nossas tradições seja mais importante que o eterno sanfoneiro do riacho da Brígida no que diz respeito à autentica divulgação do Nordeste Brasileiro.
          Pacto de amor à terra e à nossa gente, pacto de valorização do autêntico forró-pé-de-serra como verdadeiro suporte da música regional, isso é o que estamos precisando, ou seja, de pessoas que ponham o pé na estrada por amor ao nordeste, que sigam os passos dos velhos precursores de outrora.
          Não agüentamos mais o estardalhaço que desvirtua nossas raízes, nossos mais valiosos bens culturais, entre os quais vocês se encontram, pois são patrimônio imaterial do povo nordestino.
          A aventura pelas veredas da terra do sol deve continuar, de forma responsável, pois nada mais marcante para um povo do que cultivar suas origens, primando pela identidade enquanto elo constitutivo do reconhecimento pleno.
          Pacto de amor ao Nordeste, essa é a meta que deve nortear as ações de quem luta para perpetuar legados imorredouros. Pacto que firme de vez a ênfase ao epicentro irradiador de toda construção identitária, tendo em vista que este tem localização geográfica especifica, com suas bases lançadas nas alterosas da Chapada do Araripe em solo pernambucano, único que comporta as coordenadas que tangenciam o formidável e estável edifício cultural que une nosso povo.
          Vocês que tanto suaram em prol de região tão rica culturalmente, intercedam junto ao Pai Celestial para que não surjam “valores” que permitam nossa descaracterização, pois demandou tempo considerável para que amadurecessem as bases da nossa extraordinária construção coletiva, tendo em vista que nesses rincões adustos firmou-se civilização condicionada pelas secas e por heranças pretéritas legadas por três raças altivas que formaram o caráter firme e irresoluto de uma gente nobre.
          Quando o trio que vocês formaram surgiu, o nordeste sorriu mais feliz, pois era sinal que a contribuição para a afirmação da autentica e indiscutível nordestinidade estava se consolidando de forma mais expressiva.
          Que o nordeste triunfe através de pactos que o beneficie enfaticamente. Só assim teremos melhores dias em uma época tão conturbada, marcada pela avassaladora falta de escrúpulos que rege mentes deturpadas pela falsa concepção de  estar servindo à região mais notável do ponto de vista de uma cultura autóctone e original.



José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo (UFPB). Professor-Adjunto IV do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografai e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UERN). Escritor. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM).

* Carta não classificada no III Prêmio A Carta, promovido pelo Parque Cultural "O Rei do Baião" e Caldeirão Político.

Lei obriga aferição gratuita da pressão nas farmácias

O Diário Oficial do Município trouxe na edição desta terça-feira (22) a promulgação da Câmara Municipal de Natal da Lei 474/2017 que dispõe sobre a obrigatoriedade da realização da medição de pressão a ser realizada pelos farmacêuticos nas farmácias do município de Natal.

De acordo com a matéria, a prestação do serviço de medição e monitoramento da pressão arterial não poderá ter a cobrança de nenhuma taxa ou pecúnia a título oneroso por parte da farmácia em relação ao cidadão do município do Natal e, em caso de cobrança de qualquer taxa ou título oneroso por parte da farmácia, será cobrada multa de 20% sobre o índice de IPCA.
A medição de pressão é uma maneira de saber se a pessoa tem problemas cardiovasculares, e a correta aferição da pressão arterial é a forma mais segura de saber como andam os níveis de pressão arterial de um indivíduo. A lei garante ao cidadão a facilidade de medir a pressão.

Crônica: Padre Cícero e o acolhimento ao povo nordestino


José Romero Araújo Cardoso.

        Personagem polêmico da História recente do Nordeste Brasileiro, Padre Cícero Romão Batista começou a angariar respeito logo após sua ordenação, quando foi designado pelos seus superiores, na década de 70 do século XIX, para ser o vigário de erma localidade perdida nos confins da chapada do Araripe cearense, conhecida por Joazeiro, antigo ponto de parada de tropeiros que iam e vinham da longínqua e desenvolvida cidade do Aracati, ponto de comercialização da produção sertaneja de outrora.
          As terras pertenciam a outro Padre de nome Pedro Ribeiro, havendo igreja dedicada a Nossa Senhora das Dores, ao redor da qual estavam erguidas cerca de setenta e duas casinhas de taipa, habitadas por gente de índole pouco recomendável. Em pouco tempo, Padre Cícero conseguiu converter bandidos, prostitutas, malandros, vigaristas e toda ordem de pessoas desvirtuadas, granjeando fama nos arredores devido às façanhas conquistadas. Quando da grande seca de 1877-1879, apiedado da situação dos sertanejos, passou a proferir sermões na igreja de Nossa Senhora das Dores com apelo para que os deserdados da terrível estiagem se dirigissem às distantes plagas do Norte, onde começava a se dinamizar a extração da borracha de seringueira para atender as exigências da nascente indústria automobilística.
          Em março de 1889, protagonizou com a beata Maria de Araújo o “milagre da hóstia”. Ao receber a comunhão, a humilde sertaneja espantou as pessoas presentes, pois esta se transformou em sangue e depois tomou o formato de coração.
          O afluxo de gente em direção ao Joazeiro, após o “milagre da hóstia”, passou a ser contínuo, cada vez mais intenso, despertando a atenção dos seus superiores em Fortaleza, os quais enviaram a primeira comissão episcopal para analisar o fenômeno. O veredicto determinou a fraude do “milagre da hóstia”, mas interesses maiores fizeram com que outra investigação fosse realizada, a qual se definiu favorável aos episódios ocorridos no Joazeiro. Chamado a Roma para se explicar, Padre Cícero desafiou a estrutura suprema da igreja católica, negando que o “milagre da hóstia” tivesse sido um embuste. Então foi definida sua suspensão das ordens sacerdotais e sua excomunhão.
          Para o povo sertanejo que esperava seu regresso nada disso importava, pois já o tinha como “Padim protetor”, aquele que era a garantia melhores dias, materiais e espirituais, verdadeiro Messias à imagem do Padre Ibiapina e do Frei Vitale.
          Padre Cícero promoveu verdadeira revolução, pois evitava que àquelas pessoas simples e humildes que chegavam diariamente ao Joazeiro engrossassem as fileiras do cangaço, fazendo-as beatos e beatos, as  quais passaram a rezar contritas e irresolutas, realizando trabalhos espirituais ao invés de estarem empunhando rifles e punhais assassinos.
          Apesar do intenso trabalho sócio-religioso que realizou, Padre Cícero contribuiu bastante para o fortalecimento da violência do mandonismo quando deu poderes ilimitados ao médico baiano Floro Bartholomeu da Costa, responsável pela inserção política do movimento do Joazeiro, antes eminentemente religioso.
          Vinculado ao Acciolismo, Padre Cícero deu carta branca para que Floro e o exército de romeiros-jagunços avançassem até Fortaleza, intuindo depor, quando da “revolução” de 1914, o governo de Franco Rabelo, cujo fato se evidenciou de forma notável.
          Apesar do acolhimento espiritual e material a sertanejos oriundos de todos os recantos, principalmente do Estado de Alagoas, Padre Cícero se firmou na história nordestina e brasileira como um dos mais discutidos personagem de todos os tempos.

José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo (UFPB). Professor-Adjunto IV do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografai e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UERN). Escritor. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM).



* Crônica não classificada no I Concurso Homenagem ao Padre do Juazeiro, promovido pelo Parque Cultural "O Rei do Baião" e Caldeirão Político.

   

Crise hídrica maltrata Alto Oeste

Os municípios do Alto Oeste do RN estão na pior fase da seca. A crise hídrica é tamanha que a maioria das cidades é abastecida por carros-pipa. Quem pode ainda compra a água. Quem não pode depende do governo. Muitos estão apostando na perfuração de pequenos poços pra sobreviver. A situação é crítica.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

RN fica fora da ampliação do público alvo para vacinação contra o HPV


vacina-310x245O Ministério da Saúde ampliou temporariamente o público alvo da vacinação contra HPV nos estados onde há estoque de vacinas com prazo de validade a vencer em setembro deste ano, contemplando também homens e mulheres de 15 a 26 anos.
Como no Rio Grande do Norte as doses somente vencerão em 2018, o estado permanecerá vacinando o público–alvo originalmente previsto pelo Ministério: meninas de 9 a 15 anos incompletos (14 anos, 11 meses e 29 dias), meninos de 11 a 14 anos, além de homens e mulheres de 9 a 26 anos vivendo com HIV/AIDS e que sejam transplantados de órgãos sólidos, de medula óssea ou pacientes oncológicos.
Em 2017, o Rio Grande do Norte já ofereceu 19.154 doses da vacina contra HPV para a população entre 9 a 14 anos. No ano passado, o estado totalizou a administração de 36.081 doses da vacina. Segundo a responsável técnica pelo Programa Estadual de Imunização, Katiucia Roseli, “a Sesap vem intensificando suas atividades em parceria com as Regionais de Saúde e secretarias municipais de Saúde, a fim de elevar ainda mais a sua cobertura vacinal”.

Termina Hoje (21/08) prazo para auxílio-doença


Termina hoje(21) o prazo para que beneficiários do auxílio-doença convocados pelo Diário Oficial da União (DOU) procurem o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para agendar nova perícia médica.
Os beneficiários convocados no dia 1º de agosto são aqueles com os quais o INSSs não conseguiu entrar em contato por meio de cartas, que, devido às informações insuficientes ou erradas, foram devolvidas pelo Correios.
Inicialmente, o prazo de cinco dias a partir da publicação da convocação terminaria no dia 5 de agosto. No entanto, horas antes do fim do prazo, o Ministério do Desenvolvimento Social anunciou, por meio de nota enviada à imprensa, que a data limite estava sendo prorrogada para 21 de agosto.

Assembleia Legislativa realiza Audiência Pública para debater emendas para as Câmaras do RN


A Assembleia Legislativa realiza nesta segunda-feira (21), a partir das 9h, uma audiência pública para fortalecer os parlamentos municipais. De autoria do deputado estadual Nelter Queiroz o intuito é de iscutir a viabilidade no envio de emendas parlamentares, dentro do Orçamento Geral do Estado (OGE), aos Poderes Legislativos Municipais para que estes possam ampliar, reformar, construir ou equipar suas sedes próprias, como já ocorre no Estado do Piauí.
O debate vai contar com a participação de representantes da Federação das Câmaras Municipais do Estado do RN (FECAM-RN), da União de Vereadores do RN (UVERN), do Tribunal de Contas do Estado do RN (TCE-RN), do Ministério Público Junto ao Tribunal de Contas do RN (MPJTC-RN), da Secretaria de Planejamento do RN (SEPLAN-RN), da Controladoria Geral do Estado do RN (CONTROL-RN) e de vereadores do Estado.

Polícia age rápido e localiza assaltantes de Casa Lotérica de Messias Targino

Violência



Na tarde desta sexta-feira, 18 de agosto, a cidade de Messias Targino voltou a ser palco de mais um assalto, que é fruto, também, do descaso da parte do Estado em relação ao serviço de segurança pública.
Dois sujeitos, armados, anunciaram o assalto a uma Casa Lotérica localizada na Rua Manoel Fernandes Jales, no Centro de Messias Targino. Um deles entrou e recolheu dinheiro e objetos da Casa Lotérica e de pessoas presentes no local, enquanto o comparsa ficou na porta de entrada do estabelecimento, dando cobertura à ação.
Depois de praticado o assalto, os assaltantes fugiram por estradas vicinais com destino a Janduís, utilizando para tanto uma moto Honda Pop, de cor vermelha, que teria sido tomada de assalto em Caraúbas.
Dessa vez os assaltantes sofreram revés, pois foram interceptados pela Polícia numa das comunidades rurais de Janduís.
Segundo a Polícia, ao serem abordados os assaltantes reagiram e atiraram em direção aos policiais. Diante do confronto, os dois foram alvejados, sendo em seguida levados ao Hospital Regional Aguinaldo Pereira, em Caraúbas, onde morreram vítima dos ferimentos sofridos (clique aqui) (clique aqui). 
Participaram da operação policiais lotados na Sétima Delegacia Regional de Polícia Civil - 7ª DRPC, com sede em Patu, e policiais militares do Grupo Tático Operacional - GTO da Companhia de Polícia Militar - CPM de Patu, com apoio de policiais militares lotados em Messias Targino.
Até o momento, apenas um dos assaltantes havia sido identificado. Trata-se de Bruno, morador da Comunidade Mirandas, localizada no Município de Caraúbas.
Com eles, a Polícia encontrou objetos que haviam sido tomados no assalto. As vítimas inclusive já estão procurando a Polícia Civil para reaverem esses objetos.
Não se tem informação de quanto em dinheiro foi levado da Casa Lotérica, a única existente no Município de Messias Targino.
Fonte: O Messiense.

Crônica do Prof. José Romero Cardoso


Homem com H: Sucesso magistral de autoria de Antônio Barros na voz do grande artista nacional Ney Matogrosso



José Romero Araújo Cardoso 



          Enxergar rastro de cobra ou vislumbrar couro de lobisomen são coisas inéditas para a maioria do gênero humano, tendo em vista que ofídeos não deixam rastros bem visíveis e o lendário e misterioso personagem do folclore nacional, presente ainda em mitologias diversas espalhadas pelo planeta, parece existir somente na imaginação ou na arte pérfida que acompanha imemorialmente angustiantes desilusões perdidas.
          O notável cantor e compositor paraibano Antônio Barros responsabilizou-se pela feitura de uma das mais enigmáticas pérolas do nosso cancioneiro, intitulada Homem com H, composta no ano de 1974.
          A ênfase está para a necessidade da virilidade masculina, perseguida incessantemente pela essência patriarcal que perdura enquanto embasamento cultural de nossa sociedade, embora o apelo seja para que Maria diga que a figura principal realmente é homem.
          Como era tempo de censura implacável, período de vigência do regime militar no Brasil, Antônio Barros peregrinou em busca de quem gravasse sua música permeada de duplo sentido, conseguindo seu intento através de uma banda de vanguarda batizada de Hydra, formada exclusivamente para viabilizar tal intento, devido produtor musical da Copacabana Discos, conhecido por Mister Sam, ter sido tomado de fascínio pela letra da canção.
          Havia a necessidade de corroborar produções artísticas através da influência de pessoas bem estruturadas no mundo musical, caso contrário seria aventura desmedida lançar, gravar e divulgar músicas que não eram bem vistas pelos censores de Brasíla.
          A execução da música ficou encarregada ao DJ Big Boy, da Rádio Mundial, do Rio de Janeiro, e da Excelsior, de São Paulo, mas a gravadora desprezou uma das obras-primas de Antônio Barros.
          Em 1980, Antônio Barros gravou um compacto com a música, mas não obteve sucesso algum, parecendo fadado ao esqueci mento. Ninguém estava apto para valorizar a sublime genialidade do grande compositor queimadense.

          Finalmente em 1981 a música foi apresentada ao versátil artista nacional Ney Matrogrosso, antigo carro-chefe do grupo Os Mutantes que desfez a ousada composição artística que marcou a década de 70 do século passado e foi tentar carreira solo.
          O sucesso foi retumbante, elevando Antônio Barros ao panteão da consagração nacional. Outra música da consagrada dupla gravada por Ney Matogrosso foi Por debaixo dos panos, feito idêntico realizado pelo grupo de forró de raiz Os 3 do Nordeste.
           Não obstante Ney Matogrosso ter relutado em gravar Homem com H, pois de inicio disse não ter simpatizado com a canção, esta se tornou um dos mais retumbantes sucessos do performático artista brasileiro.



José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo (UFPB). Professor-Adjunto IV do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografai e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UERN). Escritor. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM).


* Crônica não classificada no III Concurso Lembrança do Ídolo, promovido pelo Parque Cultural "O Rei do Baião" e Caldeirão Político.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Artigo: Louvação a um grande herói sertanejo da batalha pelo abastecimento d´água

Artigo do professor José Romero Araújo Cardoso.


Imagem ilustrativa
                                                                         

          Em épocas pretéritas, quando as grandes e sonhadas barragens ainda não haviam perenizado importante rios sertanejos, antes intermitentes, para suplício das populações interioranas nordestinas, o nobre e valente jumento serviu impecavelmente, de forma enfática, para o transporte do precioso líquido para as residências urbanas e rurais espalhadas pelas adustas veredas da terra do sol.
          Enquanto o irmão burro era usado para o transporte da produção sertaneja a fim de ser comercializada em praças econômicas importantes, o jumento, nosso irmão, sem reclamar, sem nenhuma ação de desagrado, era vistosamente adornado, penteado com orgulho pelos seus donos, sobre o qual colocavam pesadas ancoretas fabricadas de forma artesanal, as quis eram cheias de água e tomavam o rumo dos compradores certos que imprescindiam da grande Dádiva Divina que viabiliza a vida e sua continuidade, sendo utilizada para diversos fins, exigências do cotidiano marcado pela carência hídrica em uma região-desafio, a qual notavelmente caracteriza-se como verdadeira civilização da seca.
          Nesse tempo que suscita, indubitavelmente, nostalgia, pois o respeito ao jumento era louvável, o simpático eqüino reinava absoluto, pois as tarefas que atribuíam-no eram inúmeras, havendo dependência direta do trabalho gratuito do jumento para o sucesso da própria esfera sócio-econômica.
          Não havia nenhuma atividade doméstica antes da chegada dos colocadores de água, pois donas-de-casa necessitavam de água para harmonizar os lares, preparar refeições, aguar plantas que cultivavam ao redor das residências, etc.
          Era o jumento quem marcava também o passar das horas, com seu relincho inconfundível, registrando que o compassar lento do tempo na região era marcado pelo seu sensor natural.
          Ainda necessita-se do trabalho do jumento no transporte de água em inúmeras áreas carentes e desassistidas, espalhadas pelo interior nordestino, bem como em espaços relativamente distantes, como no médio vale do Jequitinhonha, norte de Minas, região bem parecida com o sertão valente e castigado pelas secas, decantado com insistência por Luiz Gonzaga, através de sua sublime arte.  
           Inspirado na luta gloriosa declarada pelo Padre Antônio Vieira em prol da redenção do jumento, o grande “Lua” imortalizou de forma extraordinária a importância do heróico asinino na histórica luta pelo desenvolvimento do Nordeste Brasileiro.
           Atualmente, em grande proporção, há vertiginosos e injustificáveis desprezo e abandono pelo animal ao qual Luiz Gonzaga elevou à categoria de animal sagrado, patriota e o maior amigo do sertão.
           Soltos pelas estradas, vítima do desordenado tráfego de veículos leves e pesados, os quais substituíram muito o trabalho por ele desempenhado no passado, representando também ameaça às vidas de passageiros e condutores, o jumento só é ainda bastante valorizado aonde a modernidade não vem beneficiando a população que depende muito do trabalho desempenhado pelo jumento, nosso irmão.

José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo (UFPB). Professor-Adjunto IV do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografai e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UERN). Escritor. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM).


* Crônica não classificada no I Apologia ao Jumento, promovido pelo Parque Cultural "O Rei do Baião" e Caldeirão Político.